Sugadores de energia

São os meus filhos. Juro! E, se calhar, a culpa até é minha. Quando a Calita fala nisto, eu percebo, percebemos todas! Porque tenho feito um logo e aprofundado estudo vai já para 8 anos e conclui que, Regra Geral:
- As mães são mais permissivas;
- As mães impõem menos regras;
- As mais passam-se mais dos carretos;
- As mães gritam mais e conseguem menos;
- As mães cansam-se mais (para nada);
- As mães são histéricas e depois ficam muito arrependidas a julgarem-se as piores mães do mundo;
- As mães são o máximo a dar beijinhos mas péssimas a impor limites.
E continua... mas já sabemos do que se fala aqui.

Quando começaram as aulas, com dois miúdos na primária = mais TPC, mais um que também quer fazer trabalhos, dias a encurtar, banhos, jantar mal escurece que vem tudo cheio de sono e tal e tal... o meu medo era conseguir gerir tudo.

Queria ter tudo certinho: jantar preparado/adiantado de véspera; chegar a casa, fazer TPC, banhos, jantar, duas ou três brincadeiras e cama, que se faz tarde. No meu plano ideal as crianças estavam, sem falta, na cama entre as 21h30 ou 22h. Ahahahahahah

Duas semanas depois posso dizer que não temos, de longe, uma rotina 100% definida. Uns dias chegamos a casa com luz e vão brincar para a rua, outros chegamos com chuva e vai logo tudo tomar banho e vestir pijaminha. Às vezes tenho o jantar adiantado; outros há (do best) em que a minha mãe faz o jantar e, pronto, há outros em que faço tudo na hora (tipo uma lata de feijão frade, duas de atum, 5 ovos cozidos e uma colherada de maionese).
Os TPC, por agora, vão sendo feitos antes de jantar. Dentro deste esquema mal amanhado vale o  meu marido. Eu mando-os fazer os TPC 20 vezes até que consiga que se mexam, com ele basta uma, repito, UMA santa vez.
Depois há os TPC em si. O mais velho já tem mais prática, já lê, já prospera mais sozinho. O mais novo, estreante, precisa de atenção permanente e quando há, ao mesmo tempo, jantar para concluir, berro mais e ele produz menos.

Na questão banho, brincam muito, brincam mesmo muito e nunca mais saem, depois grito para saírem, depois para se limparem, depois para se vestirem. grito, grito e grito. E pensando nisto devia esbofetear-me pois é maravilhoso ver como aqueles três irmãos conseguem dar-se bem. Excepto quando não dão.

Por acaso ao jantar corre tudo mais ou menos bem. Ando agora a treinar-me para os orientar a por a mesa (conselho do meu marido, bom conselho, por acaso!).

Na hora de deitar, bem, depende. Tem dias. Os dois mais novos depois de jantar ficam prontos a capotar, o mais velho é mais chatinho. Adoro os dias em que vão os 3 ao mesmo tempo, depois de jantar, sem rabugices, sem  refilar. Mando e vão e eu sinto-me a maior.

Sábado de manhã chamei-os para fazer TPC. Vieram rápido pois de tarde tinham festa de anos e se não fizessem TPC não iam.
Não imaginam o tempo que passei de volta do mais novo, o que apaguei, o que gritei, o quanto fui histérica. Ele com uma má vontade enorme, eu sem paciência nenhuma... Uma estupidez pegada que chegou a levar á intervenção do pai... Uma vergonha. Minha. Enorme.
Olho para trás e pergunto: Porquê? Porquê tanta confusão? Porque não entrar na situação de outra maneira? Porque não ser mais aberta? Mais calma? Mais paciente?
O curioso é que, na prática, o meu marido é menos paciente do que eu, no apoio aos TPC tem toda a paciência e imaginação do mundo, e brinca, e ensina, e tudo...

Na semana passada tinha programado dois serões maravilhosos e tábua e ferro. Não consegui. Chego a casa com alguma energia e a sentir-me bem, há muito para fazer e na minha cabeça encadeio tudo  e faz-se que é um instante.
Depois do triatlo: TPC-Jantar-Banho fico completamente, mas mesmo, completamente sem energia. Só quero um sofá e um bocadinho de televisão, ai que me sinto tãããoooooo cansada, coitadinha de mim...

Os meus filhos são verdadeiros sugadores de energia. E a conclusão é que a culpa é toda minha. Eles nem são mal educados, não são uns miúdos estúpidos, são até bem engraçados e, vá, crianças.... é só isso que eles são. E às vezes só quero a parte boa e fácil disto da maternidade. E sou mais imatura do que eles. Porque se me sentar 15 minutos ao pé do mais novo, antes de me dedicar ao jantar, é só isso que ele quer, essa confianças de ter alguém ali.
Se os deixar tomar banho como gostam, com muita macacada, mas ser capaz de lhes explicar que já chega, que há mais quem precise da água quente, eles compreendem e saem (testei isto ontem, expliquei em vez de gritar, foi o máximo!)

Sim, os meus filhos são uns sugadores de energia, mas seu eu lhes impusesse algumas regras, se eu lhes explicasse melhor a finalidade de algumas ordens, se eu tivesse a paciência de os tratar como crianças que por acaso até são inteligentes, tudo seria mais fácil.
E o pai dos meus filhos já me explicou que se não lhes imponho regras e se não afirmo a minha posição quando chegarem à adolescência estou bem tramada com eles e aí, sim, posso sentar-me num canto e chorar...

6 comentários:

  1. Curiosamente não me revejo em boa parte dos pontos que enumeraste... um dia escrevo sobre isso, mas não sei quando...

    ResponderEliminar
  2. Muito gostas de contrariar tendências... és do contra, portanto! Ahahahahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. percebes onde o menino Falipe foi buscar o feitiozinho?!

      Eliminar
  3. Temos de ir com a corrente e aceitar que há dias melhores e piores. Connosco, as rotinas ajudam MUITO. Eles sabem com o que contam e eu não ando a improvisar.
    Um muito obrigado público à Professora do Gugas, que só marca trabalhos ao fim-de-semana e lhes dá tempo para brincar enquanto eu preparo calmamente o jantar!

    ResponderEliminar
  4. Tu estás a brincar!!! A sério? Mas isso é muito, muito bom! Por acaso já tinha pensado que era preferível enviarem mais, mas ser só ao fim-de-semana... Uauuuu!

    ResponderEliminar